Lacan e a loucura normal

O caso Mlle. B.[1]

 

Cristina Frederico

 

Mlle. B. atesta o valor cativante da imagem do semelhante, pois sempre procura tomar de empréstimo a imagem do outro sem, contudo, conseguir essa apropriação. Em suas tentativas sucessivas porém fracassadas de se identificar imaginariamente a seu semelhante, Mlle. B. permanece numa atopia, uma ausência de lugar frente ao Outro. Ela não é uma verdadeira doente, mas não é uma falsa doente – exatamente como se autodenomina durante a entrevista. Permanece em um ponto de indecidível. Segundo Lacan,[2] ela “[...] vai fazer parte do número destes loucos normais que constituem nosso ambiente”.

Mlle. B. foi levada à apresentação de pacientes conduzida por Lacan em 1976, no hospital Sainte-Anne. A data da entrevista coincide com o período do seminário de Lacan sobre o sinthoma, período em que as definições estruturais baseadas nas conhecidas estruturas clínicas freudianas se articulam à abordagem dos nós com a diversificação das possibilidades de amarração entre os registros imaginário, simbólico e real, amarrações que supõem os Nomes-do-Pai, no plural.

Skriabine[3] conheceu Mlle. B. no ambiente de trabalho, na mesma época da entrevista e testemunhou que ela aparentava uma pessoa comum. No entanto, ele sinaliza que, na psicose ordinária, ter uma adaptação à norma social não implica necessariamente a amarração dos três registros, pois eles podem parecer enodados, mas podem estar apenas como imagem projetada de três elos disjuntos e superpostos. O comportamento pode ser conveniente e socialmente esperado, mas não vemos o sujeito, somente a aparência à qual ele se conforma e que constitui seu laço social.[4]

Apesar da estabilização alcançada por alguns, a solução via imaginário não é suficiente para organizar a imagem do corpo e lhe dar consistência. Consistência no sentido de manter a unidade de corpo que não é dada só pelo imaginário e, sim, na articulação com o simbólico e o real. É também a marca que vem do campo do Outro, que nos possibilita ter um corpo. Já as falas que chegam a alguns psicóticos, geralmente de forma emprestada de outros, não produzem a escansão necessária, impelindo-os a encontrar um sucedâneo na imagem do semelhante para suplenciar a falha no simbólico.

É nessa perspectiva que Lacan[5] aborda as chamadas “compensações imaginárias” descritas em seu seminário sobre as psicoses, no qual discorre sobre o mecanismo essencial da redução do Outro como sede da fala ao outro imaginário. As bengalas ou muletas imaginárias que o psicótico encontra em seu duplo especular servem de “pontos de apoio significantes”[6] quando o simbólico não promove a sustentação do sujeito e organiza sua realidade antes do desencadeamento ou, até mesmo, por toda a vida.

A referência de Lacan para comentar esses casos de psicóticos que não entram jamais no jogo dos significantes, exceto por uma espécie de imitação exterior com o semelhante, é tomada de Helene Deutsch. Nos termos de Deutsch[7] a concepção da “personalidade como se” serve para analisar os casos que apresentam uma “natureza imitativa”, e esse é o motivo de uma relação aparentemente normal com o meio. Desse modo, expressam falta de autenticidade, e algo intangível se interpõe entre eles e seus semelhantes.

Apresentação de pacientes

Originária da psiquiatria clássica, a apresentação de pacientes foi usada por Lacan desde seu caso Aimée. Diferente do interrogatório, em que o saber prévio serve de guia às perguntas, na apresentação de pacientes orientada por Lacan, a ênfase é dada à fala do sujeito. Por não se tratar de um caso clínico propriamente dito mas de uma apresentação de pacientes, a reprodução de alguns trechos da entrevista tem o intuito de pôr em relevo algumas peculiaridades da própria entrevista feita por Lacan, principalmente no que se refere à relação construída entre os dois durante o encontro.

Ao longo da entrevista, Mlle. B. nos oferece uma série de personagens que passaram por sua vida; afirma que se parecer com alguém é condição de vida, porém é fácil perceber que ela não consegue se “cristalizar” diante de ninguém.[8] A curiosa relação de Mlle. B. com Lacan nos diz de sua posição diante do Outro: “Jacques Lacan ou qualquer outro, isto não tem importância”.[9] Todos se mostram intercambiáveis, não há ninguém que se fixe diante dela.

Mlle. B. diz ter a idade mental de uma criança de três anos e logo a seguir afirma poder ter a idade que quiser como quinze, vinte e cinco, trinta anos, dependendo da coisa com a qual tem que se arranjar. Isso a diferencia da debilidade mental, pois o débil também pode se apresentar com uma idade mental inferior, entretanto ele se fixa nela.

Logo no início da entrevista, diz querer se “valorizar” e afirma ser preciso que esse valor seja reconhecido pelos outros: “Eu gostaria de encontrar um lugar na sociedade, na vida, eu não o encontro, eu estou à procura, eu não encontro este lugar porque eu não tenho mais lugar”.[10] A mais velha de seis irmãos, filha de pai alcoolista e violento, Mlle. B. sai de casa aos 21 anos.[11] Passa por diversos empregos provisórios até conseguir trabalhar por oito meses como monitora em St. Ch. − um lar de crianças abandonadas, todas psicóticas. Nesse período, encontra Christian, de quem tem um filho. É despedida de St. Ch. e passa a viver em hotéis com o companheiro, que foge quando ela está no terceiro mês de gestação. Ela passa a frequentar, antes e depois do parto, casas de abrigo materno, começa a bater em seu filho, que é entregue aos cuidados de uma pessoa com quem permanece até a data da entrevista.

Na ocasião da entrevista, nada do que diz ganha peso nem convicção. Apesar de Lacan insistir que fale do filho, Mlle. B. não se deixa interessar por esse assunto. Acompanhando a entrevista, temos a impressão de que suas internações são apenas mais um ponto de um caminho no qual parece levada a prosseguir sem que um circuito se feche ou se defina. Lacan lhe pergunta quantas vezes esteve internada num hospital psiquiátrico. Mlle. B. relata as três vezes. Reproduzimos aqui essa passagem da entrevista:

Mlle. B.: Um em C., um em Cl., um em P... Da próxima vez será na montanha.

Lacan: Como você foi a C.?

Mlle. B.: Eu encontrei um grande caminhão sobre o qual estava marcado C... Eu disse: ‘Eu vou a C’.

Lacan: Como você se fez admitir no hospital psiquiátrico?

Mlle. B.: Eu cheguei uma noite em uma hora absolutamente indevida. Eu contei ao cara uma lorota, não sei o quê.

Lacan: Uma lorota de qual gênero?

Mlle. B.: Que eu sou perseguida... então me receberam porque eu estava doente. Se eu não estivesse doente, não teriam me recebido.[12]

Foi também pedindo carona que conheceu o pai de seu filho: “Eu havia me enganado de rota. Eu fui parar em uma cidade onde eu não queria ir. [...] Foi lá que eu o encontrei”.[13] Viveu um tempo com ele, mas disse ter sido “uma coisinha sem importância”.[14] Vivia com ele em hotéis, sem dinheiro, até serem expulsos pela proprietária. Algum tempo depois, o pai de seu filho é preso por “desvio de fundos de caixa”. Justamente ao abordar sua relação com o pai de seu filho, Lacan surpreende Mlle. B.: chama-a de “minha garotinha” quando ela esperava ser chamada de “safada ou de puta”.[15] A partir daí Mlle. B. fala de cartas de amor escritas para um rapaz e revela, por conta disso, ter “imitado” uma prostituta.

Em diversos pontos da entrevista, Mlle. B. descreve os personagens que imita ou com os quais tenta se identificar sem, no entanto, se deter em nenhuma identificação estável. Diz ter se identificado a uma pessoa que não se parecia com ela: “várias pessoas que não se parecem comigo. Ao menos uma que eu conheço”.[16] Questionada quanto a ser uma verdadeira ou uma falsa doente, Mlle. B. revela não ser uma coisa nem outra: “Eu faço o que tenho vontade, eu tenho vontade de ser uma verdadeira doente, eu sou uma verdadeira doente, se eu não tenho vontade, eu não sou uma verdadeira doente”.[17]

O caso expressa como o sujeito pode ficar à deriva, caso a vestimenta do imaginário não tenha um corpo para habitar. O corpo tido como unidade não é algo prévio. Lembramos que para Lacan,[18] o corpo não é algo que se é, mas algo que se tem, ou melhor, que se crê possuir.

Como tudo o que é da ordem da crença, trata-se de uma posse sujeita à dúvida, instabilidade e à descrença. Quando o corpo não é subjetivado, essa crença pode faltar, deixando o sujeito despossuído do imaginário como suporte e da consistência que este proporciona ao falante.[19]

Lacan[20] afirma que Mlle. B. não tem a menor ideia do corpo que possui para colocar sob as vestes, pois “não há ninguém para habitar a vestimenta. Ela é este pano. Ela ilustra o que eu chamo de semblante”.

Mlle. B. diz gostar de permanecer “suspensa como uma roupa, se eu fosse anônima, eu poderia escolher a roupa na qual estou pensando”.[21] Ao discutir essa apresentação de pacientes, Éric Laurent,[22] que a ela esteve presente, acredita estar diante de alguém sem personalidade, pois Mlle. B. poderia ser alguém que pediria a qualquer um na rua que trocasse suas roupas com as dela. Tentar usar a vestimenta dos demais seria a sua maneira de responder se os outros eram ou não seus semelhantes.[23]

Graças ao Outro, os pedaços de corpo são captados e vestidos pela imagem. Destaca-se, assim, a importância da imagem como uma vestimenta aos objetos pulsionais. É precisamente de um corpo que Mlle. B está desprovida, restando-lhe ser pura vestimenta. Diante disso, Lacan[24] afirma ser essa “[...] a doença mental por excelência, é a doença de ter uma mentalidade”. Não se trata de uma doença mental grave identificável, não é nenhuma de suas formas.

Diante dessa lição enigmática de Lacan, perguntamos o que viria a ser um doente por ter uma mentalidade. Segundo Lacan, os falantes sentem o fardo de ter uma mentalidade, pois há sempre um descompasso na tentativa de todo sujeito em transformar seu corpo numa unidade. Não há um encaixe perfeito entre a vestimenta e aquilo que ela vela; por isso, encontramos o tão comum sentimento de estranheza em relação ao corpo próprio, entre outras formas de padecimento que a mentalidade nos impõe. Nesse sentido, a psicose é aquela que vem revelar essa falha estrutural.

O corpo é a nossa única consistência, mas sem garantias, pois ele é passível de “sair fora a todo instante”.[25] Dessa forma, a estabilização da imagem corporal é ameaçada e ilustra os fenômenos de despersonalização e toda ordem de perturbações na imagem narcísica. Se todo falante tem uma mentalidade e sofre por tê-la, por que Mlle. B. seria uma doente por ter uma? Para Mlle. B. a mentalidade não chega a conjugar vestimenta e fragmentação pulsional, deixando-a na inconsistência de um semblante fugidio. No seminário sobre o sinthoma, Lacan[26] sugere que ter mentalidade é como ter amor-próprio, “[...] sendo o amor-próprio o princípio da imaginação”. Poderíamos, então, considerar a doença da mentalidade como aquela onde não haveria uma consistência narcísica.

A referência à doença da mentalidade faz parte das discussões empreendidas pelos autores d’A conversação de Arcachon[27] sobre os casos inclassificáveis e da Convenção de Antibes sobre a psicose ordinária.[28] Geralmente os doentes da mentalidade são “seres de puro semblante”; está aí a sua excelência e o seu caráter exemplar de doença mental. São pessoas que não conseguem estabelecer uma identificação, “[...] as identificações, por assim dizer, não se precipitaram no ‘eu’ (moi), não há cristalizador algum. [...] Nenhum significante-mestre, nada que venha lhe dar o lastro de alguma substância”, como observa Miller.[29] Termos como errância, abandono do Outro e deslocalização do gozo são usados por Miller e outros psicanalistas em referência a esses casos.

Ao comentar as observações de Lacan sobre o caso Mlle. B., Miller[30] distingue as doenças da mentalidade das doenças do Outro a partir de algumas indicações. A doença do Outro estaria do lado da personalidade forte e é encontrada do lado da paranoia. Ao esclarecer as doenças do Outro, Miller se refere aos que conseguem minimamente se designar diante do Outro, mesmo que seja diante de um Outro absoluto, não afetado pela falta. Já das doenças da mentalidade fariam parte aqueles para os quais o Outro está em déficit. Alguns desses loucos normais, no sentido de Lacan, correm “[...] o risco de passar a vida entrando e saindo do hospício, porque não foram capturados pelo simbólico e porque mantêm, com relação a esse último, uma flutuação, uma inconsistência”.[31]

Reitera, com isso, a estreita dependência do estatuto do Outro para que as identificações se precipitem ou não no “eu”. Além disso, é na dependência do estatuto do Outro que podemos afirmar se as grandes classes se mostram ainda coesas ou se os casos inclassificáveis, fluidos e anônimos ganham cada dia mais espaço.

Cristina Frederico é psicanalista, doutora em teoria psicanalítica pela UFRJ, supervisora clínica do Instituto de Psiquiatria da UFRJ (IPUB) e participa de Núcleos do ICP-Rio.
E-mail: <O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.>.


______________________________________________________________

Referências

BASSOLS, M. Elogio de las psicosis ordinarias. Desescrits, 2016. Disponível em: <http://miquelbassols.blogspot.com.br/2016/11/elogio-de-las-psicosis-ordinarias.html>. Acesso em: 23 fev. 2017.

DEUTSCH, H. Algunas formas de trastorno emocional y su relación con la esquizofrenia (1942). Revista de Psicoanálisis de la Asociación Psicoanalítica Argentina, Buenos Aires: APA, v. 25, n. 2, 1968.

FREDERICO, C. A psicose não desencadeada: um programa de investigação clínica. 2008. 105 f. Dissertação (Mestrado em Teoria Psicanalítica) - Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica, Instituto de Psicologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008. Disponível em: <http://teopsic.psicologia.ufrj.br/arquivos/documentos/203CCC3C5018A299CFF3A5C94FDD6566.pdf>.

FREDERICO, C.; BASTOS, A. Um sujeito à procura da imagem: o caso Mlle. B. Estilos da clínica, São Paulo, USP, v. 13, n. 25, p. 180-191, dez. 2008. ISSN 1415-7128.

LACAN, J. Documento - o caso Mademoiselle B. (1993) (entrevista realizada em 1976). Psicose: Boletim da Associação Psicanalítica de Porto Alegre. Porto Alegre, RS: Artes e ofícios, ano IV (9), 3-31.

LACAN, J. O seminário, livro 23: o sinthoma (1975-1976). Texto estabelecido por Jacques-Alain Miller. Tradução de Sérgio Laia. Rio de Janeiro: Zahar, 2007. (Campo Freudiano no Brasil).

LACAN, J. O seminário, livro 3: as psicoses (1955-1956). Texto estabelecido por Jacques-Alain Miller. Tradução de Aluísio Menezes. 3. ed. rev. Rio de Janeiro: Zahar, 1992. (Campo Freudiano no Brasil).

LAURENT, É. Estabilizaciones en las psicosis. Buenos Aires: Manantial, 1989.

LAURENT, É. La psicosis ordinaria. ¿Cómo se enseña la clínica? Buenos Aires: Instituto Clínico de Buenos Aires, 2007.

MILLER, J.-A. Lições sobre a apresentação de doentes. Matemas I. Rio de Janeiro: Zahar, 1996, p. 138-149.

PEREIRA, R. F.; COSTA, A. L. Psicose: Boletim da Associação Psicanalítica de Porto Alegre. Porto Alegre, RS: Artes e Ofícios, ano IV (9), 3-31. (Dados iniciais da entrevista).

SKRIABINE, P. La psychose ordinaire du point de vue borroméen. Quarto. Bruxelles: École de la Cause Freudienne, n. 94-95, 2009, p. 18-23.

 
____________________________________________________________________

Notas

[1] Texto elaborado como desdobramento de minha dissertação de mestrado intitulada A psicose não desencadeada: um programa de investigação clínica, apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica do Instituto de Psicologia da UFRJ em 2008 e a partir do artigo Um sujeito à procura da imagem: o caso Mlle. B. Cf. FREDERICO; BASTOS, 2008.

[2] LACAN, 1993, p. 30.

[3] SKRIABINE, 2009.

[4] SKRIABINE, 2009, p. 22.

[5] LACAN, (1955-1956) 1992.

[6] LACAN, (1955-1956) 1992, p. 231.

[7] DEUTSCH, (1942) 1968, p. 413.

[8] MILLER, 1996, p. 147.

[9] LACAN, 1993, p. 7.

[10] LACAN, 1993, p. 11.

[11] A pesquisa dos dados iniciais foi realizada por PEREIRA; COSTA, 1993.

[12] LACAN, 1993, p. 27.

[13] LACAN, 1993, p. 14.

[14] LACAN, 1993, p. 15.

[15] LACAN, 1993, p. 15.

[16] LACAN 1993, p. 13.

[17] LACAN 1993, p. 26.

[18] LACAN, 1975-1976.

[19] FREDERICO; BASTOS, 2008, p. 180.

[20] LACAN, 1993, p. 30.

[21] LACAN, 1993, p. 22.

[22] LAURENT, 1989.

[23] LACAN, 1993, p. 45.

[24] LACAN, 1993, p. 30.

[25] LACAN, (1975-1976) 2007, p. 64.

[26] LACAN, (1975-1976) 2007, p. 64.

[27] MILLER, 1998.

[28] MILLER, 2005.

[29] MILLER, 1996, p. 147.

[30] MILLER, 1996.

[31] MILLER, 1996, p. 146.

 Imprimir  E-mail